banner_dominicanas1 banner_dominicanas2 banner_dominicanas3 banner_dominicanas4 banner_dominicanas5 banner_dominicanas6 banner_dominicanas7

Ferias 2009

Para reflexão deste mês, sugerimos a última oração da reunião dos LEA, que nos apresenta a proposta de umas férias relaxadas, que nos permitam regressar com uma nova vitalidade não só física, mas espiritual.

1º “Quando as pessoas pensam nas férias, normalmente organizam-se com inúmeros programas que permitem tudo, menos descansar de verdade. São dias cheios de ruído.”

2º “É urgente aproveitar os silêncios, criar espaços sem barulhos, onde se possam ouvir as vozes da natureza, sentir as muitas recordações, deixar falar o coração.”

3º ”É que, no silêncio, escutam-se melhor os inúmeros sons que inundam as vidas e dão sentido a todas as coisas.”

4º “Redescobrir o silêncio, ocupar o silêncio, transformar em vida o silêncio, são desejos maravilhosos em tempo de férias. Dirão que são as férias dos monges contemplativos, mas ai de cada um se não descobrir na sua vida a importância da contemplação, o valor do silêncio.”

5º “Há então momentos em que o silêncio fala mais alto e vale a pena experimentá-lo…”

6º “Levantar cedo pela manhã e subir a uma colina para ver o sol nascer; a pouco e pouco o sol vai conquistando a terra, dando-lhe o seu calor, e até a nossa vida fica mais acolhedora.”

7º “Dar um passeio à beira-mar e ver as ondas quebrarem-se sobre a praia; cada espuma faz um desenho diferente na areia, com outras mensagens, segredando sonhos que podem sempre construir-se.”

8º “Pela tarde ir até à floresta, caminhar entre as árvores, sentir a brisa fresca a beijar o rosto, e “conversar” com as aves que esvoaçam, com os animais dos campos que cruzam os caminhos ou, simplesmente, com a natureza que tem sempre alguma coisa para contar.”

9º “E porque não entrar numa igrejinha de aldeia e dar-se conta da história que ela conta? No retábulo por detrás do altar-mor, nas estátuas dos santos, nos azulejos das paredes ou na pintura dos tectos, tudo fala da fé de um povo que um dia construiu aquele templo simples.”

10º “Aproveitar ainda para pôr em dia alguma leitura, um livro de poemas, um romance mais conhecido, uma edição anotada de um autor mais próximo, leituras diferentes de quando se estuda e trabalha ao longo do ano.”

Boas férias

GRUPO LEA REZA O TERÇO NA CAPELINHA DAS APARIÇÕES

No dia 10 de Junho o TERÇO das 18h30, que é transmitido em directo, desde a Capelinha das Aparições, em Fátima, através de alguns meios de comunicação social, foi preparado e orientado por uma representação do Grupo LEA e com a participação dum numeroso grupo de Crianças do Externato Paulo VI, de Braga, que teve a seu cargo o 2º Mistério e a animação dos cânticos.

Como nesse dia foi feriado e vésperas da solenidade do Corpo de Deus, havia muitos motivos para incluir na reflexão e oração de cada um dos Mistérios: Festa do Anjo de Portugal, Peregrinação Nacional das Crianças, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades ... sem esquecer, claro, a dimensão Missionária, que nestes Terços não pode faltar...Era de festa e alegria o ambiente que se via e respirava. No final e antes de nos separarmos, até se fez um agradável pic nic surpresa!!!..

Cabe partilhar aqui um testemunho, sobre a "força transformadora"que a oração do Terço pode ter . Aconteceu com uma das pessoas que, neste dia, rezou o Terço em Fátima.

Como ela tem um cargo de chefia, num serviço público, acontece, praticamente todos os dias, que tem que prolongar o seu horário de trabalho, porque este é muito. Quando as circusntâncias o permitem, ela gosta de abrir, às 18h30, o RR. para seguir a transmissão diária do Terço. Aconteceu que um dia lhe entrou no Gabinete um senhor, por certo também "grande", muito, muito zangado, a gritar e a reclamar algo. A conversa do senhor continuava bem azeda, mas às tantas começou a parecer-lhe que estava a ouvir a oração do Terço. A Senhora tinha-se esquecido de desligar o rádio e nem se dava conta que ele continuava a emitir. O tom de voz do que reclamava foi baixando, para ter a certeza que era verdade o que lhe parecia ouvir e, às tantas, disse: ' ah, mas eu estou ouvir rezar o Terço!...'. A Senhora pediu-lhe desculpa por se ter esquecido de desligar o rádio, mas ele é que começou a pedir-lhe muita desculpas pela sua atitude, nada educada, de facto. A partir desse momento a conversa decorreu com toda a serenidade e até se tornaram amigos."

 

 

A PÁSCOA

 

Casualmente ao folhear um livro deparei-me com um bonito texto sobre a Páscoa. Pensei “ nada mais adequado para o mês de Abril, mês em que celebramos esta festa tão importante para a Igreja. Gostaria de o partilhar convosco:

«A Páscoa é sempre uma ocasião para reconhecermos que Deus gosta de nós, e gosta de forma séria e comprometida. Só veremos em profundidade as consequências disto mesmo quando o nosso olhar se voltar com ternura para aquilo que somos e com seriedade para aquilo que vamos fazendo connosco em cada dia. É essa a grande mensagem de toda a vida de Cristo, realizada nas atitudes e procedimentos que utilizou, levada ao extremo na morte.

Por isso, o convite que Cristo nos faz em cada dia é que abracemos a nossa história, a própria descoberta daquilo que somos. Pessoas com defeitos e virtudes, com fragilidades e aspectos mais fortes, com heranças e singularidades, e mesmo assim somos únicos e irrepetíveis.

Não são estas realidades que tornam má ou desprovida de sentido a nossa vida, mas sim a forma como as utilizamos e como lidamos com elas. “Tao Te king”, um livro escrito cerca de 500 anos antes de Cristo, fala-nos de forma tão bela desta dura caminhada: “Os raios convergem para o centro da roda, mas é o espaço vazio entre eles que permite o veículo andar. O oleiro modela o barro para fazer um copo, mas é o espaço vazio no centro que faz com que o copo seja útil.

Uma casa é construída de madeira sólida e dura, mas é o espaço vazio dentro dela que nos permite habitá-la.” Um pensador oriental comenta este excerto dizendo “Deus não julgará o copo, mas o que colocamos lá dentro. Não julgará a roda, mas para onde conduzimos a nossa carruagem. Não julgará as paredes da casa, mas a harmonia que colocamos no seu interior.”»

Manuel Augusto

19 encontro LEA

LEIGOS EM ASCENSÃO

No passado dia 21 de Março, no Porto, houve mais um Encontro dos LEA – Leigos em Ascensão e, como sempre, foi muito agradável. 
O início da Primavera presenteou com um belo dia de sol e as Irmãs do Porto com um belo café da manhã, para começar em beleza.

Durante a manhã, o Dr. Carlos Abrunhosa de Brito falou sobre o tema “A Falência do Sistema Económico…Uma oportunidade?”. Fez-nos perceber que a crise, ou melhor, a sua recuperação, depende de cada um de nós. Cabe a cada um de nós fazer a diferença, cabe a cada um de nós estar disponível para… Terminou a sua reflexão com uma bela frase: “Não existe crise. Existe sim, uma propaganda negativa e destruidora feita pelas emissoras de televisão em troca de audiência. Desligue a televisão e trabalhe. Você surpreender-se-á com o seu sucesso. “ (Arnaldo José da Silva)

Durante a tarde, o Grupo, em outros assuntos, apresentou algumas ideias para o Projecto Comum e ficou-se a saber um pouco mais sobre o próximo Encontro, que irá decorrer em Maio, em Monsanto da Beira.

Como sempre, o Grupo teve direito a mais umas belas iguarias (de realçar os Rojões à Moda do Minho) para se deliciar.

O próximo Encontro ficou então marcado para os próximos dias 30 e 31 de Maio, onde a Natureza nos vai ajudar a reflectir.


 

 

 

CONVOCATÓRIA PARA O 19º.ENCONTRO

OLÁ, a todos os Leigos em Ascensão!

Como bem se recordam o nosso próximo encontro está marcado para o dia 21 de Março, no Jardim Flori, no Porto.
O Dr. Abrunhosa de Brito reflectirá connosco sobre o pertinente tema “A Falência do Sistema Económico…Uma oportunidade?”.

A ordem de trabalhos proposta é a seguinte:

  • 10h 30m – Acolhimento (café e bolinhos)
  • Oração da manhã
  • Reflexão sobre o tema “A Falência do Sistema Económico…Uma oportunidade?”
  • 13h/13h e 30m – Almoço/Descanso
  • 14h/14h e 30m – Aprovação da acta do encontro anterior
  • Notícias
  •  Decisão sobre a prenda simbólica a oferecer aos jovens participantes do IDYM
  • Apresentação das ideias para o nosso projecto comum (não se esqueçam, tragam as vossas propostas)
  • Terço em Fátima
  • Avaliação da participação no site das IMDR
  • Intercâmbio Centro Social do Bairro 6 de Maio/Jardim Flori
  • Próximo encontro – 30/31 de Maio, em Monsanto – ponto da situação
  • Avaliação da conferência “Retratos de família”, realizado no Porto
  • Contas
  • Outros assuntos
  • Oração final 

Agradecemos que confirmem a vossa presença até ao dia 17 de Março.

Um abraço para todos
Porto, 07 de Março de2009
Xana e Ana Miranda

O AMOR

"Quero amar-te sem te asfixiar,

apreciar-te sem te julgar,
unir-me a ti sem te escravizar,
convidar-te sem te exigir,
deixar-te sem me sentir culpada,
criticar-te sem te ferir e ajudar-te sem te desprezar.
Se puder obter o mesmo de ti,
então poderemos realmente encontrar-nos e enriquecer-nos mutuamente."

Virgínia Satir

O amor…

… são as rosas vermelhas, que custam o triplo em relação ao resto do ano?
… são os postais com lindos corações e belas palavras?
… são as montras bem enfeitadas, com os presentes mais originais?

Não…

O que é afinal o AMOR?
O que é um NAMORO?
O que é um CASAMENTO?

Tantas perguntas com tantas respostas possíveis.

Com o mês de Fevereiro, chega o Dia dos Namorados e todo o marketing que se lhe associa. E é isso que vale a pena? Atrevo-me a dizer que não!

Amar é difícil, muito difícil…
Requere muito empenho, dedicação e cuidados. 
Infelizmente, nos dias que correm, há muito quem desvalorize a importância deste bem precioso da vida: o AMOR!
Feliz de quem encontra um verdadeiro amor e, sobretudo, parabéns a quem o sabe manter, alimentando-o diariamente de gestos e palavras ou até de um oportuno silêncio. Abençoado é quem o faz e recebe em troca.

Feliz de quem sabe fazer da vida um verdadeiro namoro e que, num caminho a dois, é capaz de dizer como Saramago a Pilar: "Se eu tivesse morrido aos 25 anos, antes de te conhecer, morreria muito mais velho do que serei quando chegar a minha hora."

ENTRADA – PÃO ALENTEJANO

*. 1 Pão alentejano

*. Orégãos
*. 1 frasco de maionese
*. 3 linguiças
*. 1 embalagem de queijo ralado para gratinar
*. Cebola picada
*. 3 ou 4  dentes de alho picado

Juntam-se todos os seguintes ingredientes : orégãos, maionese,  linguiças, queijo, cebola e alhos. Trituram-se todos com a varinha mágica. Corta-se a parte de cima do pão e por esse “buraco” retira-se todo o miolo do mesmo. No vazio do pão é posto tudo o resultou da trituração. Por cima põe-se mais alguns orégãos e vai ao forno a gratinar, aproximadamente 20 minutos.

Nota: A códea e o miolo que se retiraram ao pão, podem cortar-se aos bocadinhos e torrarem-se para depois acompanharem a entrada.  Se não se quiser, pode saborear-se este petisco usando tostas.

 

Fotogalerias

Bairro 6 de Maio
Colégio Flori
Exposição missionária
Festa padroeiro
Capítulo
Fundadores
Moçambique
Mocambizade
Peregrinação Fátima
Semana Santa Moçambique