banner_dominicanas1 banner_dominicanas2 banner_dominicanas3 banner_dominicanas4 banner_dominicanas5 banner_dominicanas6 banner_dominicanas7

Memória dia 21 de maio 2016

Iniciamos o dia com a Eucaristia presidida pelo Pe. Ramón, Provincial dos Combonianos. Celebramos especialmente a ação de graças pelo início do Noviciado Continental Africano em Angola, e também pelos  aniversário de Juana Mary e Trindade (Trini).  No momento do ofertório apresentamos, ao som de tambores, dança e cântico africano, os nomes das noviças e as irmãs que formam a equipa que as acompanha neste processo.

Na sala, as irmãs do Continente Africano, nos animaram com um baile, a unir-nos à alegria pelo início do noviciado continental e ademais lhe agradecemos os presentes que nos ofereceram. Raquel leu-nos uma carta que enviaram, as nossas Irmãs Idalina, Olinda e Rita, acompanhantes das nove noviças que hoje iniciam o Noviciado Continental em Angola (3 de Moçambique, 4 de Congo e 2 de Angola), contando como foi todo o processo de preparação do noviciado. Acontecimento que acolhemos com alegria e esperança. Propôs a Ir. Irene fazer-lhes chegar uma carta de ânimo em nome de todas as capitulares, proposta acolhida por todas e encarregamos ao grupo de redação elaborar a comunicação.

Leram-se também as mensagens e saudações das irmãs e seguimos com as cartas das crianças do colégio de Lurdes, de Porto Rico. Ato contínuo deram-nos a conhecer o programa do domingo, destinado a uma visita a Caleruega e Segóvia.

Posteriormente demos início ao trabalho de grupos em que voltamos a tomar o tema trabalhado no primeiro dia para enriquecê-lo com as aportações que nos deu Javier Poveda e o que o grupo veja conveniente acrescentar.

Às 12h30 partilhamos em plenário o trabalho dos grupos, que foi enriquecido e clarificado por Javier Poveda, o que nos permitiu ir definindo já alguns pontos de economia. Concluímos a jornada celebrando no almoço, os aninversários de Juana Mary e Trini, deixando a tarde livre.

 

Memória dia 20 de maio 2016

Na oração de LAUDES com o textode Mateus 6,19-21 “Não acumulem para si tesouros na terra, donde a polilha e o óxido destroem, e donde os ladrõesse metem a roubar. Mas antes, acumulem para si tesouros no céu, donde nem a polilha nem o óxido carcomem, nem os ladrões se metem a roubar. Porque donde o teu tesouro, ali estará também o teu coração”. Fomos convidadas a centrar-nos no significado que para nós tem o uso dos bens materiais, considerados não como um fim em si mesmos, senão um meio para lograr o objetivo que lhe queremos dar para a comunicação de bens e a missão.

 

Fomos refletindo em silêncio a leitura do livro da Sabedoria que várias irmãs iam lendo, essa sabedoria que muito especialmente pedimos a Deus nesta nova jornada de trabalho:

Envia-a desde os teus santos céus,
e do teu trono de glória envia-la,
para que me assista em meus trabalhos
e venha eu a saber o que te é grato.”

Antes de iniciar o trabalho, tivemos muito presente o povo de Timor que hoje celebra o aniversário da sua independência e nos puseram um vídeo do internado que dirigem as nossas irmãs em Oecusse, Timor Leste. Também recebemos com tristeza a notícia do falecimento do jornalista Miguel de la Quadra-Salcedo, que realizou a arriscada missão de fazer uma reportagem sobre a guerra no Congo e, com a valentia que sempre o caraterizou, conseguiu resgatar o sacrário e alguns objetos pessoais das nossas queridas Irmãs Mártires do Congo. Na Eucaristia que se celebrou em Madrid com motivo dos 50 anos do Martírio das nossas irmãs, deu o seu testemunho carregado de emoção e sentimento. Que Deus o tenha na sua Santa Glória.

Num breve espaço, ao início da jornada de trabalho, a Ir. Araceli voltou a retomar o tema de los depósitos (fundos), para fazer algumas aclarações concetuais. Deram-se as indicações para o trabalho de grupos, que se realizou em dois momentos da manhã.

Pela tarde tivemos o plenário, com a presença de Javier Poveda, quem à medida que se iam apresentando os temas, nos foi indicando algumas observações que nos ajudem a centrar a nossa atenção para as decisões que vaiamos a tomar em torno à Economia.

Para distender a aridez do tema de trabalho, Javier nos projetou um vídeo divertido, mas simultaneamente nos oferecia a mensagem da importância de ser realista, saber o que queremos lograr, que devemos mudar e que estratégias buscar.

Concluímos o intenso dia de trabalho interpeladas por várias perguntas que Javier nos deixou para continuar o trabalho no dia seguinte.

Memória dia 19 de maio 2016

Iniciamos a manhã com a oração de Laudes celebrando o dia de Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote. A leitura de Lucas 22, 14-20 recorda-nos que o sacerdócio de Jesus continua presente no meio da Igreja: o dom da sua vida por seus discípulos continua vivo naqueles/as que junto com Ele somos chamadas a fazer o mesmo.

Na sala o grupo de animação convida-nos a cantar: “viva a gente... haveria menos gente difícil e mais gente com coração.”

Leram-se as comunicações e saudações de comunidades, irmãs, e das crianças do Colégio de Lurdes de Porto Rico. Todos e todas nos animam e agradecem as informações que vão recebendo cada dia.

Seguidamente Marisa Moresco, introduziu-nos no trabalho sobre economia, explicando junto com a Irmã Araceli, em palavras mais simples, para melhor entendermos a linguagem económica, usando os PowerPoints que nos havia apresentado dias antes, Javier Poveda, o economista que nos está assessorando. Terminada a apresentação se deram as indicações do trabalho que realizará cada grupo, identificando donde estamos (ponto de partida) e até onde queremos ir (ponto de chegada).

Pela tarde continuamos o trabalho, com a presença de Javier Poveda, a quem cada grupo expôs as suas conclusões e ele respondeu aos interrogantes e aclarações que se lhe solicitou. A jornada foi extensa e dialogou-se bastante para ir esclarecendo-nos em como vamos a enfocar e definir este tema.

Finalmente, Javier nos projetou um PowerPoint, onde mostrava as diferentes atitudes que vivemos ante um processo de câmbio e fomos convidadas a identificar-nos como estamos no termómetro. Ficamos com essa reflexão, demos por concluído o trabalho do dia.

Escala de aceitação da mudança


- Sabotagem: oposição dissimulada

- Greve: disto, me declaro em greve

- Protesto: expressar com veemência a sua queixa ou desconformidade

- Apatia: inércia, indolência, falta de vigor ou de energia

- Indiferença: estado de ânimo em que não se sente nem inclinação nem repugnância

- Aceitação: receber voluntariamente ou sem oposição o encargo

- Apoio: favorecer, patrocinar, ajudar

- Cooperação: atuar juntamente com outros para a consecução do fim do comum

- A plena identificação: fazer que duas coisas ou mais em realidades distintas apareçam e se considerem como uma mesma.

 

 

 

Memória dia 18 de maio 2016

SEMEADORAS DE ESPERANÇA

Senhor, quando nos mandas semear, desbordam as nossas mãos de riqueza.

Tua Palavra nos enche de alegria quando a escutamos em terra aberta.

Senhor, quando mandas semear, sentimos na alma a pobreza.

Lançamos a semente que nos deste e esperamos com incerteza a colheita.

E nos parece que é perder tempo este semear em insegura espera.

E nos parece que é pouco grão para a imensidão da nossa terra.

E nos aplasta a desproporção do teu mandato frente às nossas forças.

Mas a fé faz-nos compreender que estás ao nosso lado neste trabalho.

E avançamos semeando pela noite e pela névoa matinal, profetas pobres,

mas confiadas de que Tu estás ao nosso lado nesta missão.

Glória a ti, Pai bom, que nos deste teu Verbo, semente verdadeira

 e que, pela graça do Espírito, a semeias conosco na tua Igreja.

Com este salmo que recitamos na oração de Laudes e a leitura da carta de Tiago 5,7: “Tenham paciência, irmãos, até que chegue o Senhor. Mirem como o semeador espera o fruto precioso da terra, aguardando pacientemente até que caiam as chuvas do outono e da primavera”, nos convida a assumir as atitudes de Jesus sendo semeadoras do seu Reino, com esperança, fé e paciência. É nossa responsabilidade, como representantes da Congregação neste Capítulo, preparar as sementes, com muito cuidado, delicadeza e amor, para que sejam semeadoras nos lugares donde mais se necessitem.

Posteriormente na sala, demos início ao trabalho deste dia lendo as mensagens recebidas das comunidades.

De seguida, passámos ao plenário do trabalho realizado ontem pelo los diferentes grupos em relação aos três grandes Eixos: Revitalização do Carisma, Criatividade Missionária e Inovação Estrutural. Trabalho que se seguirá enriquecendo com a metodologia de rotação: todas as áreas são revistas e trabalhadas por todos os grupos de forma rotativa, acrescentando, suprimindo ou completando o que o grupo anterior havia realizado.

Fez-se a revisão do rascunho do trabalho sobre a Formação Inicial, centrando-nos no Ponto de Partida (donde estamos) e no ponto de chegada (onde queremos chegar). Fizeram-se algumas sugestões para incorporar no documento.

Finalmente se deram as indicações para o trabalho rotativo dos grupos no primeiro momento da tarde.

Depois de um descanso, procedemos ao plenário, onde nos vamos dando conta do enriquecedor que é todos os grupos estarem envolvidos nos três grandes Eixos.

Terminamos o dia de trabalho celebrando a Eucaristia, presidida pelo Pe. Anastasio Gil, Director Nacional das Obras Missionárias Pontifícias de Espanha, que em nossa honra, celebrou uma Eucaristia Missionária, ressaltando a importância que tem para a Igreja e para o mundo a presença de tantos/as missionários/as em todos os cantos do planeta, especialmente naquelas situações de maior pobreza.

Memória dia 17 maio 2016

Iniciamos o dia com a oração de Laudes, iluminadas com a Palavra tomada do Evangelho de Lucas 6,47-49, que nos convida a construir sobre a rocha firme e a ter a posta a nossa confiança em Deus. Recitamos o Salmo 126: (o esforço humano é inútil sem Deus), sentindo-nos convidadas a ser conscientes, do “sentido do trabalho e do atuar humano como colaboração na criação. Não estamos sós, nem trabalhamos em obras exclusivamente nossas. O Senhor constrói conosco o nosso existir e a nossa história”.

 

Já na sala capitular leram-se ass mensagens das Irmãs e também a resenha da Irmã. Reginalda, destacando a sua intensa vida entregada à missão no Peru; e como se sentiu missionária até ao fim da sua vida, deixando-nos um grande testemunho de compromisso e entrega.

Informou a Ir. Estíbaliz, sobre uma carta do encarregado do voluntariado a ONG Selvas Amazónicas, que comunica que existem três voluntários dispostos a servir na missão durante o mês de agosto. A Ir. Estíbaliz, pediu que se alguma comunidade está disposta a acolhê-los que o comunique à Curia Geral.

A Ir. Marisa Moresco apresentou em PowerPoint o rascunho do resumo do trabalho realizado pelos grupos sobre a Formação Inicial. Deram-se algumas sugestões para integrá-las ao mesmo trabalho.

Posteriormente, se passa a trabalhar pelos grupos da Formação Permanente, aplicando a metodologia proposta para o novo Plano Geral.

No plenário recolheram-se as contribuições dos grupos para posteriormente serem redatadas. Finalmente deu-se a conhecer, o método de trabalho nos grupos nos demais apartados do documento de Trabalho Capitular; conhecido por método de “rotação”, envolvendo assim todos os grupos nos distintos capítulos do Plano Geral da Congregação.

Este trabalho desenvolveu-se durante a tarde e pôs-se em comum para termos uma visão geral de como se está desenvolvendo o mesmo.

Concluímos o dia com a oração de vésperas iluminadas por um powerpoint chamado “a rocha” e finalizamos com o cântico: o Senhor é a minha força, minha rocha e salvação”.

 

Memória dia 16 maio 2016

Com a Eucaristia, partilhada com o nosso irmão Felicísimo, iniciamos a terceira semana capitular, donde o nosso irmão nos animava com a seguinte frase do evangelho de hoje: “Com a fé pode-se tudo”, que nos ajudará a entrar com ânimo e esperança nesta esta semana de trabalho mais intenso. Também unimo-nos às irmãs da Província Santo Tomás ante o inesperado falecimento da irmã Reginalda, no dia de Pentecostes, e oramos para que Deus a tenha gozando já no seu Reino.

Na primeira parte da manhã, continuamos revendo o Plano de Formação Inicial e a centrar-nos no trabalho em definir critérios a respeito do Aspirantado.

Depois do descanso lemos as cartas de irmãs e comunidades e agradecemos as suas orações. Marisa Moresco, apresentou uma nova proposta de Planificação para o presente Capítulo, a qual foi aprovada por todas las irmãs capitulares.

Fomos convidadas a retomar o documento de trabalho capitular e por grupos analisar a proposta de “estudar a possibilidade de um noviciado e juniorado congregacional, proposta já contida no Capítulo de 2011 e que neste este quinquênio foi ganhando mais força”.

Pela tarde pusemos em comum uma primeira aproximação à proposta apresentada, a qual seguiremos aprofundando nos próximos dias.

Concluímos com a oração de Vésperas, convidadas pela Palavra a nascer de novo e a deixar-nos guiar pelo Espírito.

Resenha do dia 14 de maio 2016

ANIVERSÁRIO BEATIFICAÇÃO DA MADRE ASCENSION NICOL

No dia 14 de maio, dia memorável para as Missionárias Dominicanas do Rosário, na oração fizemos uma menção especial a este acontecimento da beatificação de nossa Madre Ascensão Nicol Goñi. Em atitude de agradecimento ressaltamos os valores que caracterizaram a nossa Madre fundadora. 

Iniciamos a sessão na sala capitular com o canto “Um Ideal”.

Projetou-se um Power Point elaborado pela nossa Irmã Nieves Escanciano, no marco do 11º aniversário da beatificação da nossa Madre Fundadora, ressaltando as suas virtudes e a herança que deixa à congregação desse espírito missionário e empreendedor que a caraterizou.

A irmã Estíbaliz presentou-nos o tema de hoje: Plano Geral de Formação Inicial.

O Plano de Formação da Congregação, muda o esquema com respeito ao Plano anterior: a estrutura por Etapas aponta a mais um desenvolvimento lineal da formação, e a nossa vida a vivemos no processo, com descidas e subidas; por isso se propõe o acompanhamento como algo em espiral.

O processo nos fala mais de humanização, crescimento na fé desde o encontro com o Senhor e com os irmãos, por isso, neste modelo, já não cabe a palavra “formadora”, senão “acompanhante”, e a comunidade seria casa de acompanhamento.

Durante a manhã tivemos um primeiro momento de intercâmbio e apreciações a respeito do Plano de Formação; para logo passar a um trabalho mais grupal seguindo as indicações que nos dão a equipa responsável de animar este dia.

Pela tarde nos reunimos para realizar o plenário e posta em comum do conversado e aprofundado, apontando por sua vez expectativas e sugestões.

Finalizamos o dia com a Eucaristia, presidida por Frei José Parra O.P. e acompanhadas pelas Irmãs das comunidades de Madrid, celebrando a vigília de Pentecostes ao mesmo tempo que seguimos tendo presente a Madre Ascensión Nicol no aniversário da sua beatificação.

Retomaremos o trabalho na segunda-feira, depois de um merecido descanso.

Fotogalerias

Bairro 6 de Maio
Casa Provincial
Colégio Flori
Capítulo
Fundadores
Moçambique
Mocambizade
Peregrinação Fátima
Retratos de Família
Semana Santa Moçambique