banner_dominicanas1 banner_dominicanas2 banner_dominicanas3 banner_dominicanas4 banner_dominicanas5 banner_dominicanas6 banner_dominicanas7

MONS. ZUBIETA, UM HOMEM CONTEMPLATIVO NA ACÇÃO

Recordar Monsenhor Zubieta significa fazer memória de um excelente missionário, alguém que continua a ser referência constante e atualizada de como deve ser uma vocação missionária.

Toda a vida deste insigne missionário se baseia numa sólida fundamentação da fé, fielmente recebida, e na procura apaixonada da vontade de Deus, mediante uma ardente caridade para com Deus e para com os irmãos/as, em particular com as suas missionárias.

Nos escritos de M. Zubieta percebe-se a vivência de uma rica espiritualidade dominicana e missionária: contemplar e pôr em prática o contemplado. Contemplar a Deus na rica natureza da selva, nos acontecimentos, nas pessoas, no grito dos pobres: “ Ver a Deus em tudo”. Não vive de ritos, senão que despojado de toda a aparência, celebra a vida, os encontros, a amizade com os nativos, com os missionários, com as irmãs. A presença de Deus na selva qualifica-a como especial: “para saber o que é um sacrário, e agradecer ao nosso bom Deus as suas infinitas misericórdias, há que vir á selva…” A sua espiritualidade está conjugada entre o sacrifício e o amor, a luta e a esperança, a solidão e a experiência gozosa partilhada. Poderia resumir-se com a expressão do profeta Oseias: “Isto é o que Deus te pede: que pratiques a justiça, que ames com ternura e que caminhes humildemente com o teu Deus    “.

Muito se escreveu sobre a riqueza da sua pessoa e espiritualidade. Nesta celebração somos convidadas a refletir especialmente dois aspetos que dão sentido ao nosso ser e fazer missionário: trata-se da dimensão contemplativa e afetiva; aspetos que hoje se revestem de importância, neste mundo dominado pela pressa, pelo ruido, pelo ativismo, pela eficácia, e ao mesmo tempo um mundo tão carente de afeto.

 

                                               “Só a fé e confiança em Deus me infundem tranquilidade”

 

Dizem-nos as nossas constituições que a “acção evangelizadora reclama de nós uma capacidade contemplativa” e que, de acordo com a prática de Jesus, “ não podemos considerar acção e contemplação como dois polos antagónicos e mutuamente excluindo-se ” mas que “ ambos se integram na vivência unitária da prática evangelizadora”. (Cf. Const. 40-41.).

Estaremos certas se reconhecermos que esta exigência da capacidade contemplativa é herança de Mons. Zubieta, que como bom dominicano viveu com profundidade este rasgo tão próprio da espiritualidade dominicana: “ contemplar e oferecer o contemplado”. É desde esta perspectiva que devemos compreender o seu zelo missionário, que nunca perdeu, nem na prisão em Filipinas, e a sua grande disponibilidade para aceitar novos desafios na sua vida, em concreto, e talvez o maior: assumir as missões do Peru, que tal como ele referiu, aceitou, “ depois de pensar e consultar muito”. Não lhe resulta fácil, mas o aceita como sendo a vontade de Deus.

Desde um olhar contemplativo (atento e profundo) foi capaz de descobrir as necessidades da missão e dar-lhe resposta. Por isso nas suas viagens de explorador pensou e organizou projectos para melhorar a zona e os apresentou ao governo. Igualmente, compreende a necessidade de aumentar o pessoal, criar internatos nas missões para educar as crianças, (as quais pelas distâncias não podiam frequentar a escola) e incorporar irmãs na missão, para que se fizessem cargo da educação das meninas.

Podíamos dizer que vivia uma contemplação activa, uma contemplação desde a realidade que vivia, uma contemplação que compromete; assim o expressa numa das suas cartas às irmãs: “não vos falo de oração de quietude… a minha alma temperada pelos sofrimentos e toda a espécie de tribulações, contenta-se vendo a Deus em tudo e acolher os seus desígnios com uma fé cega n´Ele e nas suas obras; sempre disposto a dar a vida por Deus e pela salvação das almas que Ele remiu com o seu sangue”

No meio das dificuldades naturais da selva, a sede, o cansaço, doenças, naufrágios, etc, também encontra momentos para a oração profunda até Deus que se revela na beleza da natureza e que está presente no sacrário. Goza contemplando “ os panoramas mais bonitos e variados”, reconhece que junto com os seus companheiros de caminho ficam “extasiados na contemplação destes panoramas”. Também escreve: “sinto a graça em abundância… só desejo ocupar-me das missões e passar os momentos que possa diante do Santíssimo…”

 

“Não sei que devoção se sente neste santuário. À igreja chamam “Santa Rosa dos Padres” e a nós” os Padres de Santa Rosa” e creio que é assim, porque todos daríamos a nossa vida pela nossas irmãs e pela Patrona, e ela ao mesmo tempo vela pela nossa vida e até pelo nosso sono, de modo que ao separar-me deste Santuário, ficará nele a metade do meu coração, e não creio que dará má conta a minha querida irmã Santa Rosa”…

 

O sentido de oração compreende-o como necessidade de encher-se do Senhor, de súplica ao espirito, de petição á providência da qual se fiava totalmente. Tal como São Domingos rezava pelos caminhos, durante as longas horas de viagem em canoa, rezando o terço que muitas fezes o substituía pelo ofício divino, cantando ou meditando, partilhando com os companheiros de viagem a beleza dos bosques, das praias e dos rios, etc. fazendo da natureza o principal santuário da sua celebração e contemplação.

 

Textos de apoio: Êxodo 13, 21-23; Romanos 8, 18-39; Constituição: 3, 4, 40, 41, 42

 

INTERPELAÇÃO:

A partir do testemunho do nosso Fundador somos convidadas a perguntar-nos:

  • Como vivemos nós a contemplação?
  • O Deus que contemplo, é o Deus vivo, atuante na história e que nos envia permanentemente aos irmãos e imãs?
  • Na aproximação aos pobres e excluídos, procuramos de facto o que Deus quer para as pessoas?

  

FELIZ DIA DO NOSSO PADRE FUNDADOR.

 

Ir. Marina Vasco
Comunidade S. Domingos, Mahotas

Fotogalerias

Casa Provincial
Exposição missionária
Festa padroeiro
Capítulo
Moçambique
Mocambizade
Peregrinação Fátima
Porto
Retratos de Família
Semana Santa Moçambique